BRINQUEDOTECA - 2 A 6 ANOS

Assinado por Coletivo PN+

1/5

Aqui nosso passeio segue por mais uma brinquedoteca – com a bonita proposta de atender brincadeiras livres, construídas pelas próprias crianças. Esse é o conceito criado pelo Coletivo PN+ que, dentro de 18m2, conta com diversos elementos que que permitem imaginar, representar e simbolizar. Isso porque, o final do período sensório-motor (0 a 2 anos de idade) é marcado pelo conhecimento prático que a criança tem de si mesma e do mundo a sua volta.

 

A partir daí, aos poucos, ela passa a ter a capacidade de representar o que já é conhecido, seja através da imitação, de jogos simbólicos ou faz-de-conta, do desenho ou da linguagem. Neste momento, ela entra numa etapa denominada pré-operatório (2 a 6 anos de idade), de acordo com Piaget.

 

A principal peça dessa brinquedoteca é uma estrutura de madeira, cheia de aberturas arredondadas que convidam as crianças a explorarem o espaço e trazem uma lúdica aventura entre as formas geométricas. Essa estrutura principal comporta vários elementos: escorregador (quem não ia amar literalmente mergulhar num universo de brinquedos da sua altura?), mastro de bombeiro, escadas, balanço e mezanino com piscina de bolinha e que, para além das funções psicomotoras que o sobe e desce estimulam, geram um mundo da imaginação. Que tal um grande navio ou o mundo subterrâneo das minhocas?

Já o mezanino aqui visto deixa uma área livre no chão para uma cozinha infantil. Imitar adultos na cozinha é uma brincadeira que permite as crianças a experimentarem diferentes papéis, inclusive aqueles que irão exercer mais para frente.

 

Brincar de cozinha também faz com que ela possa desenvolver o prazer de criar suas receitas e o prazer de desfrutar uma refeição, o que colabora para a existência de um vínculo positivo com os alimentos. 

 

Do outro lado, um teatrinho de fantoches permite a criação de muitas outras histórias, seja pelas próprias crianças seja pelos adultos – além de ser contornado por diferentes formas e tons em forma de pintura, uma divertida introdução às artes plásticas. Essa brincadeira teatral permite a vivência de experiências lúdicas, estimulando os aspectos afetivos e emocionais das crianças e, claro, dos pais também! Um elemento que trará recordações muito gostosas da infância. 

O mais bacana é entender que os pais contam histórias para seus filhos, favorecem o desenvolvimento da linguagem, uma vez que ampliam o universo de significados dos pitucos, estimulam a criatividade e os ajudam a lidar com as descobertas e transformações pelas quais estejam passando.

 

Através das histórias, a criança pode aprender a lidar com seus sentimentos e emoções. A dramatização, ou seja, a voz, os gestos e a entonação que os pais usam ao contar uma história no teatrinho são muito importantes para que os pequenos reconheçam sentimentos como alegria, medo, raiva, coragem, dúvida etc.

Outro cantinho muito interessante desse ambiente é a bancada onde estão os dois caixotes de madeira com representações simbólicas de “GRANDES" e “PEQUENOS”, através do desenho de uma bola grande em um e de bolinhas pequenas em outro.

 

Com isso, a criança desenvolve a capacidade de classificação, tão importante para o seu desenvolvimento cognitivo.

 

Podemos ir além e voltar para as brincadeiras de faz-de-conta: por terem rodinhas e freios, por si só, podem se tornar um brinquedo. Eles ajudam a criança no seu desenvolvimento psicomotor e na localização espacial, além de serem muito divertidos, né?

 

Eles podem se transformar em carrinho de vendas, caminhão, carrinho… Dessa forma, por exemplo, ”dirigindo” esse caixote, a criança desenvolve a autonomia e a responsabilidade, tudo por meio do lúdico.

 

Temos ainda um cantinho com uma mesinha e cadeirinhas para desenhos, colagens e leitura. No caso desse espaço, a mesinha ainda serve como “sala de jantar” integrada à cozinha logo ao lado. Afinal, após a preparação das deliciosas receitas de mentirinha, é hora de por à mesa e degustar! 

 

Nas laterais da bancada, próximo às portas de acessos da brinquedoteca, ficam as sapateiras e os cabideiros. Um cantinho que estimula o hábito da organização e, principalmente, da higiene, questão essa cada vez mais presente no nosso dia-a-dia.

 

A regra é a seguinte: assim que chegar na brinquedoteca, tire os sapatos e pendure seus casaquinhos e mochilinhas. 

 

PRODUTOS ATELIÊ BAOBÁ PRESENTES NESTE AMBIENTE

RECEBA A NOSSA NEWSLETTER